A Casa SESC abriu suas portas
para os amantes da literatura

A instituição também levou a Paraty as bibliotecas itinerantes: BiblioSESC

Como não fosse bastante a homenagem a esses novos escritores, o SESC também preparou uma solenidade, em julho, na Academia Brasileira de Letras (ABL) para apresentar ao mercado editorial dois talentos: Luisa Geisler e Arthur Cecim, ambos vencedores do Prêmio SESC de Literatura 2010/2011 e autores dos livros Contos de mentira e Habeas asas, sertão do céu!, respectivamente.

Durante o acontecimento, a escritora Marina Colasanti, que fez parte da comissão que avaliou obras do prêmio disse: “Eu espero ser uma parte do degrau que leva um, dois, três autores à inserção no mercado”, disse ela. “É uma carreira de alternâncias, entre sucessos e fracassos, com muitos silêncios. Ainda assim é importante recomeçar, porque ao silêncio alheio temos que opor nossa voz autoral”, completou.


Crianças participaram de uma oficina de construção de quadrinhos

Estórias que se iniciam no SESC
Luisa, que tinha a escrita como hobby, participou em 2010, no Rio Grande do Sul, de uma oficina de criação literária onde produziu alguns textos que, hoje, fazem parte do seu livro. Segundo ela, foram necessários em torno de cinco meses para escrever Contos de mentira. Ela conta também que a ideia para a publicação surgiu a partir de uma reportagem que leu a respeito da quantidade de mentiras que as pessoas contam.

“A matéria afirmava que as pessoas contavam em torno de oito vezes ao dia e a mentira mais falada era ‘está tudo bem’. Pensei comigo: ‘Poxa, eu não minto tanto assim! Eu não minto o tempo inteiro!’ e comecei a prestar mais atenção. Disso, surgiu a possibilidade de um livro que aborda a mentira como um todo, de uma forma mais metafórica”, disse.

Oficinas como as que estimularam Luisa a escrever, são promovidas pelos Departamentos Regionais e suas unidades em diversas partes do país. No Piauí, por exemplo, o projeto Redescobrindo o Cordel, que preserva e difunde essa expressão literária típica do Nordeste por meio de oficinas e exposições, revelou em junho um novo talento.


O Diretor-Geral do DN, Maron Emile Abi-Abib, também
prestigiou o evento, realizado em julho

O Laboratório de Autoria Literária Luzinette Laporte, do SESC Garanhuns (PE), também fomenta todos os anos o surgimento de novos autores. São realizados projetos que acontecem periodicamente como o Poesia na Roda, Café com Poesia, lançamentos de livros, palestras, recitais, oficinas, mesas-redondas, leituras de obras, conversas com escritores, contação de histórias e mostras de literatura.

Já em Tocantins, de 4 a 8 de julho, foi realizado o projeto Férias Culturais, reunindo mais de 60 crianças em uma oficina de leitura, estimulando o prazer pelos livros desde cedo. Quem também começou ainda muito jovem com o hábito de ler e escrever foi o autor de Habeas asas, sertão do céu!, Arthur Cecim. Criado em uma família de escritores, o tradutor e professor de inglês paraense já traçava suas primeiras linhas desde os oito anos. Hoje, o que ele quer é continuar no caminho das letras.


Marina Colasanti e os vencedores do Prêmio SESC de Literartura 2010/2011

Um sabor apreciado por brasileiros de todas as partes do país, a literatura que encanta Luisa Geisler e Arthur Cecim, continua encantando Marina Colasanti e Manoel de Barros. Fora a experiência, os quatro têm em comum o prazer pela escrita, assim como milhares de outros já consagrados e aqueles que traçam os primeiros versos em um papel em branco.


Vencedores do Prêmio SESC de Literatura na solenidade da Academia Brasileira de Letras



Historiando Guaribas

Mais um dos inúmeros exemplos da atuação do SESC no incentivo à leitura e à escrita aconteceu em Guaribas, uma cidade a 653 km de Teresina, capital do Piauí. Lá, mais precisamente na unidade SESC LER do município, alunos que fazem parte de programas pedagógicos de alfabetização, escreveram um livro no qual remontam a história da cidade com base em suas próprias experiências de vida. Desde 2009, quando o trabalho foi proposto, foram escritos dez textos, documentados em 2010 em uma coletânea do Projeto, batizada de “Historiando Guaribas – uma experiência de escolarização do SESC LER”. Entusiasmados, os alunos divulgam o trabalho para a comunidade e ficam felizes quando alguém se refere a eles como autores, segundo a Coordenadora do Projeto no DR/PI, Rozenilda Castro. Ainda de acordo com ela, o protagonismo dos alunos como autores de suas próprias histórias, valoriza a identidade cultural da comunidade, além de melhorar a auto-estima e a frequência escolar dos participantes do Projeto.