Nilvana Flores, uma amante da cultura de seu estado, com sua turma de Educação Infantil
Poeticamente
A poesia e a paixão pelo Rio Grande do Sul são a marca registrada de Nilvana Ferreira Flores. Monitora de Educação Infantil da Unidade do SESC em Novo Hamburgo, essa gaúcha teve seu primeiro contato com a poesia tradicionalista em 1996, ao ingressar em um Departamento de Tradições Gaúchas.  

"Logo comecei a gostar dessa expressão cultural e cada vez mais pessoas me incentivavam a declamar", lembra Nilvana, que em seguida procurou auxílio de um especialista na área. "Busquei a ajuda de um declamador profissional muito reconhecido aqui no estado para me auxiliar com algumas técnicas, como impostação da voz, postura cênica, linguagem corporal e memorização do texto", conta. A servidora explica que na declamação tradicionalista – obrigatória em todas as apresentações dos Centros de Tradições Gaúchas, em fandangos, festas e reuniões – os versos precisam ser decorados e que o declamador não pode mudar as palavras originais, contando com sua interpretação para passar todo o sentimento contido na poesia.

"A declamação para mim significa a expressão do grande amor que sinto pela terra onde nasci e onde vivo. E é um sentimento genuíno, por isso eu declamo os versos como se aquelas palavras fossem minhas", afirma Nilvana, que chegou a participar, em 1998, do Concurso Estadual de Declamação de Poesia, onde foi vice-campeã. A servidora, no entanto, não se inscreve em concursos desde 1999, pela falta de tempo para conciliar os estudos e a preparação para as competições. Mas mesmo assim ela não se afastou da poesia, e constantemente é convidada por escolas da cidade a participar de atividades relacionadas à Semana Farroupilha.

"Consegui inserir a poesia no meu dia a dia, utilizando-a no trabalho junto às turmas de Educação Infantil. Essa arte ajuda muito em atividades que desenvolvem a fonética e a expressão corporal", detalha a servidora, que trabalha na instituição desde 2005.