• 23/05/2014

Disputa judicial prejudica avanço de investimentos e melhorias no Sesc do Estado

Administração Nacional do Sesc identificou que cinco grandes cidades do Rio de Janeiro e bairros da Zona Oeste da capital não contam com unidades do Sesc
Rio de Janeiro, 23 de maio de 2014 - Devido à decisão tomada por Ministro da 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que concedeu liminar suspendendo momentaneamente a intervenção no Sesc Rio, a  Administração Nacional do Sesc interrompeu o plano de ações desenvolvido, que seria iniciado em junho no Sesc no Rio de Janeiro para ampliar e qualificar os serviços no estado. A decisão não é definitiva, o mérito ainda será julgado no STJ e o Departamento Nacional do Sesc vai recorrer da decisão.

Entre as iniciativas aprovadas, estão a reforma das instalações precárias e construção de novas unidades do Sesc na zona oeste da cidade do Rio, região sul e norte fluminense. Bairros como Campo Grande, Jacarepaguá, Santa Cruz e, ainda, cidades como Angra dos Reis, Itaperuna, Macaé, Barra do Piraí e Cabo Frio, atualmente não são atendidas pela instituição. Além da retomada da educação infantil, interrompida pela administração afastada por má gestão, e desenvolvimento de atividades como Educação de Jovens e Adultos.


"As ações têm o objetivo de aumentar a abrangência e efetividade social, além de garantir o acesso aos comerciários de bens, serviços e turismo, e ao nosso público preferencial”, afirma Gastão Bittencourt, diretor da Confederação Nacional do Comércio e interventor no Sesc Rio.

Com foco na valorização do quadro funcional foi apresentado plano de cargos e salários, ampliação do quadro de lotação de pessoal e proposta de aumento dos benefícios. Tendo sido assinado, na última quarta-feira (21), acordo coletivo com o Sindicato da categoria, garantindo a reposição das perdas salariais acumuladas nos últimos anos.

Sob intervenção desde 20 de março, o Sesc Rio teve o presidente Orlando Diniz e os Conselheiros da entidade afastados pelo  Conselho Nacional por irregularidades na gestão, como aplicação indevida de recursos, desvio da missão institucional e desobediência às normas de licitação. Passou, então, a ser conduzido pela Administração Nacional do Sesc.

Conforme preceitos legais e regulamentares da instituição, todas as ações tomadas até o momento pela Administração Nacional visam tão somente preservar a boa gestão e a qualidade dos serviços prestados no Estado do Rio de Janeiro.


Quem é quem no Sistema


Sesc e Senac

Ambas as instituições são mantidas pelos empresários que atuam no comércio de bens e serviços. O Sesc atua para proporcionar o bem-estar e qualidade de vida  ao comerciário, sua família e sociedade. Incentiva a educação de qualidade como diretriz para o desenvolvimento do cidadão.  Atua nas áreas de Educação, Saúde, Cultura e Lazer.  
Já o Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) é voltado para a educação profissional dos segmentos mantenedores. Atua diretamente com trabalhadores e empresários, com programações presenciais e a distância, de norte a sul do Brasil.

CNC
A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo é a entidade sindical representante de cerca de 2,2 milhões de empresas do setor e assegura os interesses e avanços em órgãos de jurisdição e consultivos, no Brasil e no mundo. Como parte do seu compromisso com o fortalecimento do setor, coordena o Sistema Confederativo da Representação Sindical do Comércio (Sicomércio) e administra, também, um dos maiores sistemas de desenvolvimento social do mundo – o Sesc e Senac.