Publicado em 23/03/2017
Atualizado em 07/08/2017

Os males do Aedes

Conheça as diferenças entre as doenças e saiba como se prevenir

O Aedes aegypti transmite três doenças: dengue, zika e chikungunya. Embora apresentem sinais clinicamente parecidos, como febre, manchas vermelhas, dores de cabeça e nas articulações, há alguns sintomas marcantes que diferem as enfermidades. Por exemplo, enquanto dengue e chikungunya levem ao aparecimento repentino de febres altas, pacientes com zika muitas vezes sequer têm febre. 
Para se prevenir contra as doenças, a informação é a melhor estratégia. 


Zika:
O vírus da zika é dissimulado. Apenas uma em cada cinco pessoas infectadas apresenta indícios da doença: febre, erupção cutânea, vermelhidão nos olhos, dor de cabeça e nas articulações. Esses sintomas costumam desaparecer depois de 7 dias. 
Mas apesar de ter sintomas mais leves, a zika traz consigo um grande risco. Foram associados ao vírus os casos de microcefalia em recém-nascidos.

No caso de gestantes, os cuidados na prevenção têm de ser intensificados, incluindo roupas que deixem poucas partes do corpo expostas e a utilização de repelente. Para quem optar por adiar a possibilidade de uma gravidez por conta do risco da zika, existem diversos métodos contraceptivos que podem ajudar. 

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece várias opções, como os preservativos feminino e masculino, a pílula anticoncepcional combinada, o diafragma e o Dispositivo intrauterino (DIU). 
Além disso, evitar a picada do mosquito não é o bastante no caso da zika. O vírus pode ser transmitido por via sexual, no caso de um dos parceiros estar infectado, mesmo sem apresentar os sintomas. Dessa forma, tanto homens quanto mulheres devem utilizar preservativos nas relações sexuais.


Dengue:

A primeira manifestação da dengue costuma ser uma febre alta (39° a 40°), de início repentino, acompanhada de dor de cabeça e nas articulações. A doença pode provocar ainda fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira. Em sua forma mais grave apresenta dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes e sangramento de mucosas. 
Das três doenças, é a única para qual foi licenciada uma vacina, que previne a manifestação do vírus. Porém, ainda não há previsão de chegada na rede pública. 


Chikungunya:

Assim como a dengue, a chikungunya apresenta febre alta de início rápido. A doença tem como característica inchaço nas articulações e dores intensas, que dificultam a execução de atividades rotineiras como, por exemplo, escovar os dentes. Os sintomas iniciam entre 2 e 12 dias após a picada do mosquito. Depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida. 

Recentemente foi divulgado que o mosquito teria se fortalecido, ocasionando uma derivação do vírus chikungunya, com sintomas mais fortes. Porém, segundo a  Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), não há qualquer registro científico de que o vírus chikungunya tenha se modificado ou de que o mosquito tenha se fortalecido. Ou seja, não existe uma “nova chikungunya”.

Dengue, zika ou chikungunya não contam com tratamento específico, o paciente pode apenas aliviar os sintomas. No caso de suspeita de uma das doenças, o indicado é procurar um profissional de saúde. Também é importante a ingestão de muito líquido para evitar a desidratação. 

Dessa forma, o mais importante nesta luta são as medidas de controle do mosquito e o uso de repelente. Se cada um fizer sua parte, não vai sobrar espaço para o Aedes aegypti.





O Sesc no Brasil