Publicado em 07/10/2019
Atualizado em 07/10/2019

Saúde do Viajante

Confira nossas dicas para uma viagem mais saudável

Viagem requer planejamento. Selecionar roteiros, fazer reservas, checar documentação e até mesmo o clima na localidade visitada para saber o que colocar na mala. No meio de tanta informação, a gente acaba esquecendo de algo essencial: a saúde. Mas com alguns cuidados, você garante ótimas recordações.

 

Confira nosso checklist e boa viagem:

 

Antes do pé na estrada

– Consulte seu médico entre 4 e 8 semanas antes da viagem. Ele vai te ajudar com informações sobre sua saúde e prevenção de doenças e lesões.

– Organize os medicamentos de uso habitual e leve a quantidade suficiente para todo o período da viagem, além da prescrição médica.

– Verifique se as vacinas estão em dia. No site do Ministério da Saúde você encontra o Calendário Nacional de Vacinação com todas as orientações: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/vacinacao/orientacoes-sobre-vacinacao

– Leve em consideração que vacinas têm um período para começarem a fazer efeito, que pode ser de até seis semanas. No caso da febre amarela, a vacinação deve ocorrer com um mínimo de 10 dias antes da data da viagem. Trata-se da medida mais eficaz contra a doença e a recomendação é de vacinação para todo o território brasileiro.

– Inclua o cartão de vacinação de todos da família entre os seus documentos de viagem. No caso de viagens para o exterior, é preciso verificar a recomendação do país de destino e providenciar o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP), emitido gratuitamente.

 

Arrumando a mala

– Filtro solar é indispensável, mesmo que seu destino não seja a praia. A exposição ao sol no campo ou nas montanhas também traz risco de câncer de pele. O fator de proteção mínimo indicado é 30 (FPS30), independentemente da cor da pele.

– Os lábios também precisam de proteção. Leve protetor labial com fator de proteção solar.

– Óculos de sol e chapéus de abas largas são recomendados principalmente para os destinos de praia.

– Outro item essencial na bagagem é o repelente. Opte por produtos a base de DEET (dietilmetatoluamida) ou Picaridina, eficazes contra o Aedes aegypti, mosquito que transmite dengue, zika e chikungunya.

– Passeios em trilhas e matas requerem peças de roupa como calças e camisas de mangas compridas, meias e sapatos fechados.

 

Durante a viagem

– Aplique o protetor solar no mínimo 30 minutos antes da exposição ao sol e reaplique sempre que suar em excesso ou se molhar.

– Use o repelente mesmo com o filtro solar. Basta passar cerca de 20 a 40 minutos depois da aplicação do protetor. Também é preciso reaplicar o repelente sempre que se molhar ou houver suor excessivo.

– Não aplique o repelente próximo a boca, nariz, olhos ou sobre machucados. Siga as orientações da bula.

– Gestantes e crianças maiores de 2 anos podem utilizar repelente. No caso das crianças, não é recomendável que o produto seja colocado em suas mãos para aplicação, pois elas podem levá-las a boca ou esfregar os olhos.

– Não é recomendado dormir com o repelente no corpo. Por se tratar de uma substância química, o uso excessivo pode provocar reações alérgicas ou intoxicações. Quando não for mais necessário, retire no banho com água e sabão.

– Lave as mãos com água e sabão ou solução antisséptica, como álcool em gel, com frequência, principalmente antes de ingerir alimentos e após o uso de sanitários.

– Beba água tratada acondicionada em embalagens lacradas ou de fonte segura e evite gelo de procedência desconhecida.

– Assegure-se que os alimentos estejam em boas condições para consumo, armazenados em temperaturas adequadas. Evite consumo de frutos do mar crus.

– Fique atento a limpeza em restaurantes e lanchonetes, pois podem ser indícios de produtos inadequados para consumo.

– Quando for consumir alimentos exóticos, seja prudente e não exagere.

– Alimentos embalados devem conter no rótulo a identificação do produtor e a data de validade. A embalagem deve estar íntegra.

– No caso de sentir-se mal durante a viagem, procure atendimento médico e evite a automedicação.

 

De volta pra casa

– Se ao retornar da viagem você tiver febre, diarreia, problemas de pele ou respiratórios, procure um serviço de saúde e informe as regiões por onde passou. Doenças como malária são de difícil diagnóstico e podem apresentar sintomas até um mês após o retorno do viajante. Informações sobre a localidade visitada ajudam o profissional de saúde na indicação de tratamento.

 





O Sesc no Brasil