Circuito Especial

No Palco Giratório 2019 destaca-se a presença de propostas que não configuram necessariamente a apresentação de um espetáculo, e que estamos chamando temporariamente de “cena expandida”. São propostas que sugerem um tempo de relação mais dilatado com as cidades e seus públicos, envolvendo a realização de residências, mapeamentos e oficinas estendidas.

São elas que configuram o Circuito Especial 2019: Performance Preta no Brasil (MA), Audiodescrição Lab (PE/SC) e Femi-Clown Cabaré-Show (DF). Por meio destas ações, outras temporalidades entre artistas e públicos serão construídas e poderemos experimentar novas facetas que o projeto pode assumir e que ainda desconhecemos. 

 
Performance preta no Brasil: mapeamento, escuta e mediação crítica
Concebido como programa de mediação experimental, Performance preta no Brasil pretende visibilizar a produção negra no campo
da performance a partir de laboratórios de criação, escutas, pesquisa de campo e intercâmbio com pesquisadores e realizadores negros.
Esse processo é realizado no período de 5 a 7 dias com residência dos artistas nas cidades por onde passarem. O objetivo é pensar o
colonial e seu desmantelamento através das discussões sobre raça/cor, perpassadas pelas questões de gênero e pelas memórias negras
que engendram modos de ser/estar diferentes do modelo ocidental colonial. A ação interseciona processos de formação em performance,
audiovisual e intervenção urbana.  
 
 
AudiodescriçãoLAB
Proposta Expandida que engloba uma oficina de teatro para experimentação cênica; ação de mediação para espetáculo com audiodescrição 
e um pensamento giratório. Ramificação tramada em diálogo com a pesquisa de doutoramento de Andreza Nóbrega, que investiga os processos 
estéticos e de mediação envolvendo a audiodescrição no teatro. A audiodescrição, vista como ponte que possibilita o acesso aos elementos visuais
do espetáculo, ou ainda, como travessia, como ação rizomática, uma evocação para transitar e experimentar universos outros, no campo
do fazer e do fruir a arte. 
 
 
Femi-Clown Cabaré-Show 
Esta proposta é uma ação multiplicadora de saberes em circo-teatro, que se dá a partir do encontro e das partilhas entre mulheres palhaças
e suas criações. É o levante da força, da fúria e da graça das palhaças, num picadeiro feminista e sob a lona dos afetos. Artistas de circo,
da poesia, das culturas populares e de rua das cidades são convidados a um encontro com o trio de palhaças do Cabaré* das Rachas para
esta empreitada político-afetiva do humor e da palhaçaria de mulher. A missão: refletir, escutar, falar e tratar do empoderamento feminino na
cena e das etapas de criação de um cabaré de variedades, com linha dramatúrgica coletiva e feminista. Estruturada com a condução do trio
Cabaré das Rachas, essa ação resultará no espetáculo que inclui números autorais das artistas locais convidadas, além de números coletivos
inéditos.