Cachorros não sabem blefar Comédia dramática / 12 anos / 55 min

Caio sempre olha para seu relógio que insiste em marcar o mesmo horário: 9h15. O problema não são as pilhas. Provavelmente está quebrado. Ou então cansou-se. O que seria lastimável para um relógio. Adamastor odeia o nome Caio. Cristina não quer morrer virgem e odeia Caio, seu namorado. Caio, que não é o namorado de Cristina, apresenta­se para as pessoas com o nome de Adamastor, pois sabe que assim são capazes de suportá­lo. Adamastor acredita que tartarugas são perigosíssimas. Certa vez perdeu toda sua fortuna para um jabuti. Verônica nunca sabe se está ou se não está nua. Já perdeu vários empregos por causa disso. Alguns porque estava nua. Outros porque estava vestida. Berenice procura seu cachorro. Ele está sozinho em casa e não sabe abrir pacotes de ração e nem a geladeira. E um detalhe importante: ele não late. De jeito nenhum. Talvez não exista. Não existem cães que não saibam latir. E tartarugas que não saibam blefar. Por isso são excelentes parceiras de pôquer. Já os cachorros não. Cachorros não sabem blefar.

Direção e dramaturgia: Byron O’Neill
Atores: Carol Oliveira, Luisa Rosa, Mariana Câmara, Saulo Salomão e Ronaldo Jannotti
Assessoria de direção e movimento cênico: Mônica Ribeiro
Preparação corporal: Mônica Ribeiro
Direção de arte (figurino, cenografia e maquiagem): Daniel Ducato
Trilha sonora: Rafael Nelvam
Técnico de som: Byron O’Neill e Rafael Nelvam
Desenho de luz: Marina Arthuzzi
Técnicos de luz: Jésus Lataliza e Cristiano Diniz
Olhar de fora/acompanhamento de processo: Alexandre Cioletti e Marcelo Aléssio
Costureira: Antônia Emília de Paula e Lenir Rocha Vieira
Produção executiva da montagem: Mariana Câmara e Ronaldo Jannotti
Coordenação de produção: Ronaldo Jannotti
Assistentes de produção: Cristiano Diniz, Alexandre Cioletti e Gustavo Baracho