Acessibilidade
Acessibilidade: Aa Aa Aa
24 de janeiro de 2022

Considerado um processo natural durante o crescimento das crianças, a vacinação infantil vem sofrendo com os efeitos da pandemia de Covid-19. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde e da Unicef, em 2020, 23 milhões de crianças no mundo não receberam as vacinas básicas do calendário de rotina – 3,17 milhões a mais do que em 2019. No Brasil, a estimativa de decréscimo no número de crianças vacinadas foi de 20% a 30%, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria. Um dos motivos seria o receio dos pais em levar os filhos às unidades de saúde, em função do risco de transmissão de Covid-19.

O grande perigo da baixa vacinação é o retorno de doenças como a poliomielite. Em 1994, o Brasil recebeu o certificado da eliminação da doença em todo território nacional. Mas se a cobertura vacinal continuar abaixo da meta, existe o risco de reaparecimento de casos. Um exemplo recente é o sarampo. O país chegou a ser considerado livre da doença, mas com o decréscimo da imunização, ela reapareceu em 2018, com o registro de mais de 10 mil casos.

A imunização começa no nascimento, com doses da BCG e da Hepatite B. Na adolescência, a vacina contra o HPV é oferecida nos postos de saúde a meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. Ela previne o papiloma vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais.

Adultos também precisam ficar atentos a atualização da caderneta de vacinação. Doenças como a difteria e o tétano necessitam reforço de imunização a cada 10 anos. Mesmo as gestantes necessitam de vacinas para prevenir doenças, como a hepatite B. Mas é essencial o acompanhamento médico no pré-natal. Para os idosos, é recomendado a imunização anual contra o vírus da gripe, que sofre mutações, além de outras vacinas indicadas para a faixa etária.

Confira as principais vacinas disponíveis gratuitas no SUS e o calendário de vacinação:

BCG – Aplicação em dose única ao nascer. Caso não ocorra a vacinação, deve ser aplicada até os 5 anos.

Hepatite B – Uma dose ao nascer e as três doses finais via vacinação pentavalente.

Pentavalente – Aplicação aos dois, quatro e seis meses de vida.

Poliomielite – Realizada em 5 doses: aos 2, 4 e 6 meses de vida, de forma injetável, com reforço via oral aos 15 meses e aos 4 anos.

Rotavírus – A imunização é feita em duas doses: a primeira aos 2 meses e a segunda aos 4 meses.

Pneumocócica – Duas doses, aos dois e aos quatro meses, com um reforço aos 12 meses de idade.

Meningococo C – Duas doses, aos três e aos cinco meses de idade, com um reforço aos 12 meses.

Tríplice viral – A imunização ocorre em duas doses, aos 12 e aos 15 meses de idade.

Hepatite A – A imunização é feita com dose única, aos 15 meses de idade.

HPV – Duas doses com seis meses de intervalo, para meninas a partir de 9 anos e para meninos a partir de 11 anos.

Febre amarela – Dose única, orientada por profissionais de saúde de acordo com o risco epidemiológico.

Gripe – A imunização é anual. Confira a campanha em sua cidade.

Notícias Relacionadas:

De olho na fauna do Pantanal

Já foram registrados 90 mil fotos e vídeos de mais de 60 espécies de animai...

Sesc participa da 28ª edição do Dia do Desafio

Evento este ano tem como tema ocupar espaços e reunir pessoas Dados da...

Palco Giratório 2022 será em formato inédito

Projeto apresenta obras criadas no período da pandemia por meio de novas te...

Prêmio Sesc de Literatura roda pelo país

Diogo Monteiro e Fábio Horácio-Castro percorrerão mais de 30 cidades ao lon...

Últimas notícias

Fique por dentro dos acontecimentos e artigos mais recentes sobre o Sesc e o Brasil.

Últimas notícias

Fique por dentro dos acontecimentos e artigos mais recentes sobre o Sesc e o Brasil.

Utilizamos cookies em nosso site para trazer uma melhor experiência aos visitantes. Para mais detalhes, leia nosso Termo de Privacidade e Dados Pessoais.

Font Resize
Contraste