Acessibilidade
Acessibilidade: Aa Aa Aa
11 de março de 2022

Primeira onça-pintada recebe colar de monitoramento para pesquisa na maior RPPN do Brasil, no Pantanal de MT. Os dados adquiridos a partir do colar são importantes para conservação da espécie, que está na lista de animais ameaçados de extinção.

A primeira onça-pintada capturada para a pesquisa em andamento na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN Sesc Pantanal), localizada em Barão de Melgaço, Pantanal de Mato Grosso, recebeu o colar com GPS para o monitoramento no período de aproximadamente um ano. O estudo do maior felino das Américas, ameaçado de extinção, é importante para a conservação da espécie e funciona como um “guarda-chuva”, ao contemplar todo o ecossistema com informações de diversas espécies e paisagens.

O animal capturado na maior RPPN do Brasil tem cerca de seis anos e 103 Kg. O nome escolhido pelos guarda-parques e auxiliares de parque da RPPN Sesc Pantanal foi Niti Cáre, que significa “menino bonito” em macro-jê, tronco linguístico dos Bororos e Guatos, presentes na região. O macho estava em ótimo estado físico e passou por exames, para checagem do estado de saúde, identificação de parasitas, vírus e bactérias, coleta de material reprodutivo e genético.

Para esta etapa da pesquisa, foram escolhidos locais onde há presença recorrente de onça-pintada, indicada pelas câmeras trap instaladas há cerca de 12 meses. A previsão é que, no total, cinco onças-pintadas recebam os colares. A próxima fase está prevista para acontecer em maio deste ano.

A pesquisa do animal, que ocupa o topo da cadeia alimentar, é realizada pelo Polo Socioambiental Sesc Pantanal em parceria com o Museu Nacional e colaboração das seguintes instituições: Instituto Reprocon e o Grupo de Estudo em Vida Silvestre (GEVS), formado por integrantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Universidade de Aveiro (Portugal).

De acordo com o pesquisador do Museu Nacional e coordenador do GEVS, Luiz Flamarion, o objetivo da pesquisa é identificar a quantidade e o comportamento das onças existentes na região. “Com o colar, será avaliado o movimento dos indivíduos de maneira mais detalhada, como são as tomadas de decisões no uso do espaço, a permanência nos locais e o motivo das mudanças feitas com mais frequência, por exemplo”, explica.

A superintendente do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, Christiane Caetano, destaca a relevância da pesquisa realizada na área de conservação. “A RPPN Sesc Pantanal é um laboratório a céu aberto do bioma. Estudar a onça-pintada numa área natural é importante para entender a dinâmica de toda cadeia alimentar. A partir da presença do felino é possível ter um indicador de que a área é saudável e equilibrada, onde a fauna pode se desenvolver e perpetuar”, declara.

Em 25 anos de existência, já foram encontradas 12 espécies em extinção na área de 108 mil hectares da RPPN, equivalente a 2% do Pantanal de Mato Grosso e 1% de todo o bioma.

Técnica para captura 

O médico veterinário do Instituto Reprocon, Antônio Carlos Csermak Jr, explica que para a captura de grandes felinos a técnica utilizada é a armadilha de laço, indicada pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnivoros (Cenap), que integra o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). “A técnica é considerada eficiente, segura e, por conter o animal pela pata, não gera lesões ou machucados devido a mecanismos de segurança, como molas e freios”.

O sistema de alarme instalado na armadilha chega a 12 km. Isso permite saber o momento exato em que a armadilha foi desarmada e o rápido acesso ao animal, contido por pouco tempo até a anestesia. A associação anestésica utilizada causa amnésia dos momentos anteriores e posteriores à captura. Deste modo, não há traumas ao animal.

“O desafio na execução deste trabalho é a agilidade dos animais, mesmo num território como o Pantanal, com grande densidade de onças-pintadas. O período da cheia, que muda o nível da água diariamente, também dificulta o acesso a pontos importantes para o trabalho, mas vamos nos adequando. A sensação de fazer parte deste trabalho é única. A onça-pintada é um animal magnífico e importantíssimo para a conservação dos biomas onde ocorre. Poder trabalhar com esta espécie no Pantanal é um privilégio”, conclui o veterinário.

Em 10 anos de trabalho na RPPN Sesc Pantanal, o guarda-parque Vilson Taques já viu onças-pintadas diversas vezes, sempre de longe, e conta sobre a emoção de estar tão perto do felino. “A adrenalina foi a mil. A emoção é muito grande em ver o animal de perto. É gratificante fazer parte da pesquisa e saber que isso é fruto do nosso trabalho de conservação da natureza”, declara.

A equipe, formada por biólogos, ecólogos, médicos veterinários, guarda-parques e auxiliares de parque da RPPN Sesc Pantanal, também irá instalar mais 60 câmeras trap pela reserva, totalizando 100 em toda a área, ampliando o monitoramento da fauna.

Notícias Relacionadas:

Sesc participa da Semana Mundial do Brincar

Atividades acontecem em diversos estados do país de 21 a 29 de maio Neste ...

Prêmio Sesc de Literatura anuncia os vencedores de 2022

Corpos benzidos em metal pesado, do paraense Pedro Augusto Baía, venceu na ...

De olho na fauna do Pantanal

Já foram registrados 90 mil fotos e vídeos de mais de 60 espécies de animai...

Sesc participa da 28ª edição do Dia do Desafio

Evento este ano tem como tema ocupar espaços e reunir pessoas Dados da...

Últimas notícias

Fique por dentro dos acontecimentos e artigos mais recentes sobre o Sesc e o Brasil.

Últimas notícias

Fique por dentro dos acontecimentos e artigos mais recentes sobre o Sesc e o Brasil.

Utilizamos cookies em nosso site para trazer uma melhor experiência aos visitantes. Para mais detalhes, leia nosso Termo de Privacidade e Dados Pessoais.

Font Resize
Contraste